Ceará tem o combustível mais caro do país

Confira a trajetória de preços da gasolina pela inflação desde 2001. Valor médio do litro atingiu R$ 7,59 em março de 2022

A tributação de PIS/Cofins sobre a gasolina que voltou a valer em 1º de março de 2023 pode aumentar o preço do litro em R$ 0,47, segundo o Ministério da Economia. Levantamento da ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) mostra que o valor médio cobrado nos postos na semana de 25 de fevereiro de 2023 era de R$ 5,08. A rigor, o fim da isenção sobre o combustível encareceria o litro para R$ 5,55. Não seria o maior da história em termos reais, quando os números são corrigidos pela inflação. O pico foi atingido em março de 2022, mês que o litro custava R$ 7,59, a preços. Naquele período, o Congresso aprovou temporariamente a isenção do PIS/Cofins sobre a gasolina, o que reduziu o valor cobrado nas bombas nos meses seguintes. O limite imposto ao ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) também contribuiu para diminuir o valor.

Com o fim do benefício tributário, e se o litro da gasolina for para R$ 5,55, será o mesmo patamar registrado em fevereiro de 2020, mês anterior à pandemia de covid-19. O aumento de preços também deverá elevar o custo do litro para o maior nível desde junho do ano passado, quando o valor médio estava em R$ 6,14.

O etanol teve o preço médio mais alto em outubro de 2021, quando era R$ 5,88 em valores atuais. Estava a R$ 3,79 em fevereiro de 2023.

Em valores atuais, a gasolina já custou R$ 6,94 em fevereiro de 2003, pico anterior ao ciclo inflacionário mundial recente. O preço mais baixo foi em maio de 2020, aos R$ 4,66. Nas mesmas datas, o etanol custou R$ 4,80 e R$ 3,71, respectivamente.

Os dados da semana de 25 de fevereiro mostram que o Ceará tem a gasolina mais cara do país, ao considerar o preço médio. O litro custava R$ 5,73. O menor preço para o combustível era no Amapá: R$ 4,72.

Já o valor mais alto para o etanol foi registrado em Roraima, R$ 4,87. O menor era do Mato Grosso, de R$ 3,28.

Várzea Alegre

O valor médio atual da gasolina comum – item mais consumido – no município de Várzea Alegre, verificado na tarde desta segunda-feira (6), fica em R$ 6,02.

Impactos

Os combustíveis em alta possuem impactos que se estendem além dos proprietários de veículos. Relevantes setores econômicos estão diretamente ligados aos reajustes. A consequência dos combustíveis em alta será repassada aos principais produtos no decorrer dos próximos meses. Transporte, alimentação, vestuário e construção civil serão os mais afetados em virtude da pressão inflacionária nos combustíveis.

Nitidamente, o efeito mais direto acontecerá nos fretes rodoviários, passagens de ônibus urbanos e interestaduais, de avião e viagem em aplicativos de transporte. Os impactos também se estendem ao valor gasto pelos motoristas de veículos de passeio.

Tudo o que está condicionado ao transporte para deslocamento entre dois ou mais pontos também sofrerá os impactos dos combustíveis em alta. É o caso dos alimentos que passam por diversos lugares até chegar ao prato dos consumidores. O setor de alimentação é o mais sensível aos reajustes feitos pela Petrobras.

Também há a influência indireta em produtos de primeira necessidade como o arroz, feijão e carne. Neste caso, a alta está relacionada ao fato de que vários dos fertilizantes e defensivos agrícolas derivam do petróleo.

Poder 360 – com adaptações

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − oito =