Em Várzea Alegre bananas estragadas são servidas ao alunos; depósitos de merenda escolar estão vazios

Situação foi constatada in loco em visita realizada pelo Ministério Público à escolas

Em visita realizada pelo Ministério Público (MPCE) à Escola Dr. Dário Batista Moreno no último dia 6, foram constatadas diversas irregularidades graves, como por exemplo a falta de alimentos para a merenda escolar e bananas podres. A visita foi realizada pelo Promotor de Justiça, Dr. Thiago Freitas Camelo, titular da Promotoria de Justiça da Comarca de Várzea Alegre.

Após várias denúncias realizadas por cidadãos, o MPCE resolveu verificar a situação in loco. Tudo começou após denúncias de que estava sendo servidas pipocas como única alimentação dos estudantes, o que repercutiu na imprensa nacional e chamou a atenção das autoridades para a situação.

Dr. Thiago Freitas havia sugerido que a gestão municipal providenciasse um cardápio provisório. A orientação não foi cumprida e as denúncias continuaram chegando ao MP.  Após controvérsias apresentadas pela Secretária de Educação Ângela Bernardino em audiência junto ao MP, da qual participaram diretores das escolas, a situação ficou insustentável, levando o MP a verificar a veracidade das denúncias no próprio local, ou seja , nas escolas.

Verificou-se que havia cinco funcionárias trabalhando na cantina sem nenhuma vestimenta adequada à manipulação de alimentos. Indagadas se eram merendeiras, afirmaram que fazem a função de merendeira, mas na verdade são auxiliares de serviços gerais e cumulam ambas as funções, já que a escola não tem merendeira no quadro de funcionários.

Constatou-se ainda que a merenda do dia seria cuscuz com sardinha e fruta do dia. O Promotor perguntou por que não estava sendo servido a fruta do dia. Uma das funcionárias informou que receberam apenas banana e mamão na semana passada (terça-feira), em quantidade ínfima, que não dá para oferecer a todos os alunos. O mamão já na sexta foi oferecido junto com banana pois estava muito maduro.

Passou a ser vistoriado o depósito da merenda escolar onde se constatou pouca quantidade e variedade de alimentos: 15 kg de arroz, 8 pacotes de flocos de milho, 17 tubos de feijão, 3 fardos de pipoca, 1 pacote de batata, alguns pacotes de carne de soja e apenas 5 latinhas de sardinha. Perguntadas, as funcionárias da merenda não souberam informar o que faria para a merenda da tarde, dada a pouca quantidade de alimentos disponíveis.

Vistoriado o freezer verificou-se que lá havia apenas 6 pacotinhos de carne moída, 7 frangos e três polpa de frutas. A geladeira estava completamente vazia e as bananas que

estavam no depósito já não eram mais próprias ao consumo, estando em péssimo aspecto.

O diretor da instituição informou que a Secretaria  de Educação está ciente das necessidades da instituição, pois semanalmente informa as quantidades necessárias para o cumprimento do cardápio.

As informações constam de um relatório do MP.

Parece que a gestão está entrando em colapso e nada mais está funcionando a contento. Vamos acompanhar o desenrolar dos fatos e das investigações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 2 =