Mais de 2,8 mil pessoas estão desabrigadas e 7 morreram devido às fortes chuvas no Ceará desde março

Até esta quinta-feira (6), 18 municípios decretaram situação de emergência.

O Ceará tem um total de 2.851 pessoas desabrigadas devido às fortes chuvas que atingem o estado desde o início do mês de março. A informação conta no boletim do Governo do Estado, atualizado nesta quinta-feira (6).

Além dos desabrigados, sete pessoas morreram vítimas das fortes chuvas, ocorridas desde março. Outras 29 pessoas ficaram feridas e foram socorridas para unidades hospitalares.

Até esta quinta-feira (6), 18 municípios decretaram emergência. São eles:

  1. Altaneira
  2. Missão Velha
  3. Aratuba
  4. Antonina do Norte
  5. Guaramiranga
  6. Itapipoca
  7. Uruburetama
  8. Porteiras
  9. Deputado Irapuan Pinheiro
  10. Tururu
  11. Senador Pompeu
  12. Itapajé
  13. Lavras da Mangabeira
  14. Barreira
  15. Pedra Branca
  16. Umirim
  17. São Benedito
  18. Piquet Carneiro

O município que decretou situação de calamidade pública, até o momento, foi Milhã. Ao todo, 500 famílias ficaram desabrigadas, correspondendo a cerca de duas mil pessoas sem ter onde morar na cidade. O município tem 13 mil habitantes, e os desabrigados correspondem a 15% da população do município.

Açudes cheios

Ceará tem 58 açudes sangrando e maior reserva hídrica em dez anos. — Foto: Cogerh/Reprodução

Para além dos transtornos, o grande volume de chuva garantiu uma reserva hídrica no Ceará até, pelo menos, o fim de 2024. Atualmente, os 157 açudes monitorados pela Companhia de Gestão de Recursos Hídricos (Cogerh) têm média de 44% da carga total, a maior carga dos últimos 10 anos.

O Castanhão, maior açude de abastecimento do país, tem 27% da sua carga máxima, o melhor volume em 15 anos.

Previsão para esta sexta-feira (7)

Segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), o ambiente segue favorável para ocorrência de chuva em todas as macrorregiões do Ceará nesta sexta-feira (7).

Os maiores acumulados devem ocorrer nos extremos do estado, como faixa litorânea, Ibiapaba, Cariri e sul do Sertão Central e Inhamuns.

G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + cinco =