Sargento da PM entra em batalhão e mata dois policiais no interior de SP

As vítimas são um capitão e outro sargento; ainda não há informações sobre o motivo do crime em Salto

Um sargento da Polícia Militar entrou no prédio da 3ª Companhia do 50º BPMI (Batalhão de Polícia Militar do Interior), em Salto (102 km de São Paulo), e matou dois colegas a tiros na manhã desta segunda-feira (15), segundo a assessoria de imprensa da PM.

As mortes foram confirmadas pelo batalhão. As vítimas são um capitão e outro sargento. Ainda não há informações sobre o motivo do crime.

O estado de saúde do sargento não foi informado. Também não há detalhes sobre o tipo de arma utilizada.

Segundo o Corpo de Bombeiros, eles foram acionados por volta das 8h50 para socorro de dois policiais militares com ferimentos de arma de fogo. De acordo com o Corpo de Bombeiros, as equipes ainda estão no local e a ocorrência ainda está em andamento.

A Polícia Militar divulgou nota em que lamenta a ocorrência.
“É com extremo pesar que a Polícia Militar informa que nesta segunda-feira (15), por volta das 9h, dois policiais militares foram atingidos por disparos de arma de fogo efetuados por um sargento da Instituição por razões ainda a serem esclarecidas. Infelizmente, as vítimas entraram em óbito”, traz a nota.

Segundo a PM, todas as providências de Polícia Judiciária Militar estão em andamento e a Corregedoria da Instituição acompanha as apurações.

Vítimas foram identificadas como sargento Silva e capitão Josias

Outro caso

Neste domingo (14), um policial civil foi preso sob suspeita de matar a tiros quatro colegas numa delegacia em Camocim (CE), cidade a 350 quilômetros de Fortaleza.

Ele chegou a fugir numa viatura da corporação, mas se entregou num quartel da Polícia Militar logo em seguida. Ainda não há informações sobre a motivação do crime.

As vítimas foram os escrivães Antonio Claudio dos Santos, Antonio José Rodrigues Miranda e Francisco dos Santos Pereira, e o inspetor Gabriel de Souza Ferreira.

Policiais mortos

Em nota, a Polícia Civil do Ceará afirmou que “o aparato da instituição encontra-se disponível para os familiares e amigos das quatro vítimas, que são homens honrados que tanto contribuíram no combate à criminalidade”.

O governador Elmano de Freitas (PT) afirmou em suas redes sociais estar consternado com o crime. “Manifesto a minha solidariedade às famílias, amigos e profissionais da Segurança Pública do Estado. O Governo do Ceará dará todo o apoio necessário aos familiares das vítimas.”

Em 5 de abril, um capitão e um cabo da Polícia Militar mataram a tiros um sargento em um batalhão no Jardim Santa Emília, zona sul de São Paulo.

O capitão Francisco Laroca, responsável pela Coordenadoria de Operações da PM do Estado de São Paulo, disparou três vezes contra o sargento Rulian Ricardo ao ser desentenderem dentro da 4ª Companhia do 46º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano.

O motorista que acompanhava Laroca, o cabo identificado como Rizzo, efetuou um quarto disparo.

Rulian foi atingido no pescoço e na região do tórax. Ele foi prontamente socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública) de São Paulo, as providências de Polícia Judiciária Militar foram tomadas e a Corregedoria da Instituição acompanha as apurações.

Inicialmente, Laroca e Rizzo estavam no local para apartar um conflito entre Rulian, a vítima, e uma policial.

Rulian teria ficado inconformado com a abordagem do capitão e apontado um revólver calibre 32 contra ele, segundo relato do próprio Laroca, ocasionando a reação.

Laroca é capitão da PM paulista desde novembro de 2020. Antes disso, ele esteve no Corpo de Bombeiros, também como capitão, por 12 anos.

O capitão também é suplente na Câmara Municipal de São Paulo. Filiado ao PSB (Partido Socialista Brasileiro), ele obteve 2.275 votos na última eleição.

Rulian ingressou na corporação em junho de 2006. Em 2020, quando atuava em Franca, no interior paulista, ele salvou uma criança que havia se engasgado com uma moeda de R$ 0,10 e foi homenageado na cidade.

Fonte: O Tempo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × três =