Golpe dos nudes: Polícia prende 33 pessoas em operação contra grupo suspeito

Foram cumpridos 41 mandados de prisão em 11 cidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina na manhã desta segunda-feira (29).

A Polícia Civil prendeu, durante operação na manhã desta segunda-feira (29), 33 suspeitos de participar de uma organização criminosa que aplicou o golpe dos nudes em 12 estados brasileiros. As prisões ocorreram em 11 cidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina (saiba quais abaixo). Segundo a polícia, sete deles já estavam em cadeias.

O esquema foi tema do programa Linha Direta, da Rede Globo, na última quinta-feira (25). O golpe tinha como alvos homens que eram atraídos nas redes sociais por mulheres, com as vítimas trocavam fotos íntimas. Em seguida, uma suposta terceira pessoa entrava na conversa e dizia que a mulher era, na verdade, uma menor de idade, e começava a cobrar dinheiro para que o homem não tivesse suas fotos expostas (entenda mais abaixo).

No Rio Grande do Sul, as prisões desta segunda aconteceram em: Porto Alegre, Canoas, Cachoeirinha, Gravataí, Alvorada, Viamão, Tramandaí e Imbé. Em Santa Catarina, as ações foram em: Florianópolis, Ingleses e Carianos.

Foram cumpridos 11 mandados de prisão preventiva; 30 de prisão temporária; 33 de busca e apreensão; e 25 bloqueios de contas bancárias.

Desde o começo da investigação policial, há quase um ano, pelo menos 140 pessoas foram presas só no Rio Grande do Sul. Os suspeitos atraiam empresários, médicos e até políticos. A investigação identificou 80 vítimas do golpe em todo o país. Só uma delas teria perdido mais de R$ 100 mil. O prejuízo total chega a R$ 5 milhões.

Pessoas que sofreram o golpe foram identificadas nos seguintes estados: Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Vítimas atraídas pelas redes sociais

O crime consiste na extorsão de usuários de redes sociais, geralmente homens mais velhos, após o envio de fotos íntimas, na maioria das vezes por jovens mulheres. Depois da troca de mensagens, um suposto parente ou autoridade policial entra em contato dizendo que a jovem era, na verdade, menor de idade. Os golpistas, então, tentam extorquir dinheiro das vítimas para que elas não sejam expostas.

Os criminosos chegavam a montar cenários para simular delegacias e filmar a encenação do momento em que seria feito o registro da ocorrência por pedofilia contra as vítimas de estelionato. Delegacias falsas da Polícia Civil foram descobertas em Novo Hamburgo, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

Troca de mensagens entre o grupo criminoso e uma vítima do golpe

A Polícia Civil descobriu, ainda, que uma adolescente de 17 anos foi aliciada pela organização criminosa. Ela se fotografava, recebia entre R$ 100 e R$ 200 por “pacote de imagens” e as fotografias eram usadas no esquema (abaixo, veja imagens de conversas obtidas pela polícia entre os estelionatários e uma vítima do golpe).

Há suspeita do aliciamento de outras adolescentes e também de jovens de 18 ou 19 anos que se passavam por menores de idade.

A organização criminosa é suspeita dos crimes de extorsão, corrupção de menores, tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e porte ilegal de arma de fogo. Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + 17 =