Indígenas acampam em Brasília contra marco temporal no Senado e no STF

Franco Matos, Colunista EscotilhaNews, flagrou com exclusividade para o EscotilhaNews a movimentação na Esplanada dos Ministérios

Indígenas de todo o país definiram acampamento em Brasília em protesto contra o marco temporal, com atos que ocorrem pelo menos até a próxima quinta-feira (8). O Supremo Tribunal Federal (STF) deve retomar a análise da questão na quarta-feira (7). Além disso, o projeto de lei sobre o tema foi aprovado na Câmara dos Deputados e agora tramita no Senado. Além do acampamento em Brasília, manifestações são organizadas em todo o país.

Os protestos têm foco contra o marco temporal no Congresso e no STF. Mas também citam o assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Philips, acontecido há um ano, no Vale do Javari. A terra indígena, localizada nos municípios de Atalaia do Norte e Guajará, fica no oeste do estado do Amazonas. A agenda de manifestações teve confirmação em nota divulgada pela a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Após a aprovação do projeto de lei do marco temporal na Câmara dos Deputados.

No texto, a Articulação afirmou que os povos indígenas seguirão acampados em Brasília. E que também irão promover mobilizações contra o marco temporal nas cinco regiões do país. Indígenas se manifestaram na última terça-feira (30), dia da votação do projeto de lei do marco temporal na Câmara dos Deputados. Integrantes da etnia Guarani bloquearam a rodovia dos Bandeirantes, na zona norte de São Paulo, se manifestando contra a aprovação da matéria. Também houve protesto em Brasília, na Esplanada dos Ministérios.

Foto: Lula e Cacique Raoni participam de Cerimônia do Dia Mundial do Meio Ambiente, no Palácio do Planalto. (Crédito: Joédson Alves/Agência Brasil)

Marco Temporal

Também houve protestos na cidade de Chapecó, no oeste de Santa Catarina. Onde um grupo de indígenas do Toldo Chimbangue bloqueou um trecho da rodovia SC-484, que liga o município de Paial a SC-283. No Mato Grosso do Sul, um trecho da rodovia BR-463, em Ponta Porã, e do Anel Viário de Dourados teve bloqueio por indígenas.

Previsão

De acordo com a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), mais de 2 mil indígenas devem participar do acampamento, em Brasília. O Marco Temporal é uma tese jurídica que estabelece que os direitos territoriais de povos indígenas devem ter reconhecimento somente para as terras que eles já ocupavam antes do dia 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal.

Franco Matos, Colunista EscotilhaNews, flagrou em primeira mão a movimentação na Esplanada dos Ministérios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − onze =