Defesa do acusado da morte de Fernando Lima (Téo) se pronuncia sobre o caso

Após a publicação de uma matéria sobre os quatro anos da morte do jovem Fernando Lima (Téo), no dia 6 de julho, a defesa de Edivan Vieira Diniz, principal suspeito do assassinato, emitiu uma nota de esclarecimento sobre o caso.

Segundo a defesa, constituída pelo Advogado Dr. Luiz Ricardo de Moraes Costa, seu cliente não teve nenhuma participação na morte de Fernando Lima. Na nota a defesa expressa que “nunca existiu nenhum atrito, discórdia, animosidade, rivalidade ou discursão entre o Sr. Edivan e o Sr. Fernando. De modo que inexistia motivos plausíveis para o Sr. Edivan desejar qualquer mal contra o Sr. Fernando”.

Ainda de acordo com a defesa do suspeito, “a investigação policial não conseguiu coletar nenhum meio de prova, nem mesmo o menor indício, que leve à conclusão de que o Sr. Edivan tenha praticado homicídio contra o Sr. Fernando”.

Nota:

“O Sr. Edivan Vieira Diniz, vem, mui respeitosamente, através de seu advogado, prestar os seguintes esclarecimentos relativamente a matéria publicada em 06/07/2023, no site escotilhanews. Na aludida matéria o Sr. Edivan Vieira Diniz foi apontado como sendo investigado do possível homicídio que vitimou Fernando Lima.

No entanto, o Sr. Edivan Vieira esclarece que não teve nenhuma participação na morte do Sr. Fernando. Ressalta-se que nunca existiu nenhum atrito, discórdia, animosidade, rivalidade ou discursão entre o Sr. Edivan e o Sr. Fernando. De modo que inexistia motivos plausíveis para o Sr. Edivan desejar qualquer mal contra o Sr. Fernando.

Sendo que a investigação policial não conseguiu coletar nenhum meio de prova, nem mesmo o menor indício, que leve à conclusão de que o Sr. Edivan tenha praticado homicídio contra o Sr. Fernando. Por fim, o Sr. Edivan Vieira Diniz confia na justiça e está provando sua inocência nos autos do processo.

Ante o exposto, requer que essa nota seja publicada em sua inteireza no site escotilhanews”.

Investigação

Fernando Lima desapareceu no dia 4 de julho de 2019 e seus restos mortais só foram encontrados no dia 25 de agosto, quase dois meses depois do seu desaparecimento.

De acordo com informações colhidas pelo EscotilhaNews junto à Polícia Civil de Várzea Alegre, o inquérito foi concluído e enviado ao Poder Judiciário para que o Promotor, de posse das informações, pudesse oferecer a denúncia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − 2 =