Eduardo Girão diz que reforma tributária é ‘inconsistente’ e ressalta papel da oposição: ‘Precisamos ouvir a sociedade’

Em entrevista ao Morning Show, parlamentar falou sobre a futura votação do projeto no Senado: ‘Já temos carga tributária absurda e não podemos errar’

Nesta segunda-feira, 31, o programa Morning Show recebeu o senador Eduardo Girão (Novo-CE). O parlamentar falou sobre o fim do recesso no Senado e as expectativas para o andamento da reforma tributária na Casa. “Os parlamentares estão chegando, nós temos essa pauta importantíssima para o país. A gente precisa ter muita responsabilidade, com todo respeito a quem pensa diferente, mas acredito que isso faltou na Câmara dos Deputados, foi votado de forma açodada, na calada da noite. Quando acontecem essas coisas aqui, a gente sabe que coisa boa não é”, disse. “Analisamos o texto com nossa equipe, tem muita inconsistência, a perspectiva de ficar um imposto com as tarifas maiores do mundo. Já temos uma carga tributária absurda, a gente não pode errar. Temos que debater tanto na Comissão de Justiça como na de Assuntos Econômicos. A gente precisa fazer audiência pública, ouvir os setores e a sociedade para que essa reforma possa repercutir positivamente para nossos filhos e netos. Se a gente fizer às pressas, pode ter uma surpresa ruim para as futuras gerações”, acrescentou.

Girão ressaltou que a oposição ao governo Lula no Senado é articulada e não enxerga problemas em concordar com projetos governistas, desde que eles sejam do interesse da população. “Olha, acredito que a gente tem uma oposição pequena, mas articulada. O trabalho não é oposição por oposição. Se vierem coisas positivas, eu voto a favor. O balanço é o que é bom para o Brasil e para os brasileiros”, afirmou. “O que a gente tem visto do governo federal traz um desalento muito grande. É um espírito de vingança, de revanche. A gente percebe que tudo que foi prometido da campanha, o Lula faz o inverso. Fomos enganados, houve um estelionato eleitoral”, defendeu.

Fonte/foto: JP News/divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 − 1 =