Parece que o namoro entre algumas alas da oposição e o vice-Prefeito de Várzea Alegre, Dr. Fabrício Rolim, está mais próximo de ter um desfecho. Será?

Ontem, terça-feira (6), aconteceu na residência do empresário e ex-Prefeito Vanderlei Freire, uma reunião entre os quatro vereadores da oposição, Vanderlei e Fabrício. O que ficamos sabendo é que ficou acordado que em breve Dr. Fabrício estará anunciando o rompimento com o seu compadre e amigo Zé Helder, atual prefeito do município.

Com o rompimento, Fabrício seria lançado como o candidato da oposição.

Quem deverá anunciar ainda hoje o seu afastamento da bancada de liderança do prefeito Helder será a Dra. Luciana Rolim, esposa do vice-Prefeito. Seria o primeiro passo para o rompimento entre Fabrício e Helder.

Diante desses últimos acontecimentos, alguns pontos precisam ser levantados:

  1. A maior liderança da oposição, o ex-Prefeito João Eufrásio (Joãozinho) não estava sabendo da reunião;
  2. O último candidato ao executivo representando a oposição, o ex-Vereador e atual presidente do partido (PP) também não teve conhecimento da reunião. “Nunca participei de nenhuma reunião, nunca fui convidado, desde a última eleição municipal, quando fui o candidato a prefeito pela oposição”, disse Ribamar à nossa redação;
  3. Beto Primo, que vinha articulando e conversando bastante com lideranças também ficou de fora da articulação mais recente entre Vanderlei e Fabrício.
  4. Estaria havendo uma quebra de braço entre Vanderlei e Joãozinho ou haveria um movimento na tentativa de enfraquecer e jogar para escanteio o principal líder da oposição?

Pois bem, parece que não há uma necessária e fundamental sintonia entre as principais lideranças do grupo da oposição. Ao tempo em que reuniões paralelas acontecem sem o conhecimento de outras lideranças não menos importantes, até mesmo da maior liderança, Joãozinho, parece que a oposição joga mesmo para perder o jogo, aliás, entregar de vez e de mãos beijadas.

Será que essa ala da oposição já tem consciência da derrota para o Executivo e estaria investindo tudo para reeleger os seus quatro vereadores? É o que está deixando transparecer.

Fizemos questão de entrar em contato com outros líderes da oposição e um deles, insatisfeito com o cenário que se desenrola nos disse: “ainda não há definição do candidato da oposição, poisa ainda temos como pré-candidatos Chico Neto, Jeffinho Fiuza, Homero Fiuza e o próprio Joãozinho. Inclusive esses nomes não participaram da reunião.

Nisso tudo, surgem vários questionamentos. Dentre tantos, alguns precisam ser referenciados:

  1. Caso Fabrício chegasse a ganhar as eleições pela oposição, o que visualizando na conjuntura atual é muito pouco provável, o que a oposição ganharia com isso?
  2. A oposição tem total confiança no Dr. Fabrício a ponto de, mesmo sabendo da sua histórica ligação com a situação, deixá-lo sentar-se à janela desse ônibus sem rumo?
  3. E Fabrício, não parou ainda para avaliar o perigo de, na prorrogação, mudar de lado, não somente de lado, mas justamente ser escalado para ser o candidato da oposição? Em caso de derrota nas urnas, não estaria assim ele enterrando de vez a sua carreira política, principalmente o seu elo de ligação entre os dois grupos? Falo isso porque cada eleição é uma eleição e sempre acabam surgindo novos atores em ambos os lados, como por exemplo o nome mais cotado e provável para ser o candidato de Helder, o seu sobrinho Flavinho Salviano.

O fato é que parece que, da parte do prefeito Helder, não existe nenhuma preocupação com relação à saída do seu atual vice do seu grupo. Mais ainda, soa como se fosse um alívio.  Repito, é o que está dando a parecer, diante do comportamento tranquilo e silencioso de Zé com relação ao fato.

Não poderia deixar aqui de fazer uma observação, por dever de justiça e também para não parecer que estou sendo parcial: Fabrício foi um dos melhores vice-prefeitos que Várzea Alegre já teve e em muito ajudou a gestão de Zé Helder.

Mesmo assim, agora a situação tem um grande e plausível argumento que certamente será usado na campanha: “Fabrício só mudou de lado porque não foi aceito pelo grupo para ser o candidato a prefeito. Então, nada do que ele falar durante a campanha contra a situação terá algum peso”.

2 comentários em “Parece que o namoro entre algumas alas da oposição e o vice-Prefeito de Várzea Alegre, Dr. Fabrício Rolim, está mais próximo de ter um desfecho. Será?”

  1. Na realidade nós não temos um candidato de oposição, que bata de frente para derrotar o grupo atual no poder. Só nos resta esperar para saber como será essa eleição. Precisamos saber se essa eleição será apenas uma eleição já “decidida” ou teremos um nome forte de oposição para o pleito

  2. Eu penso que, independentemente de ser candidato A ou B, pela oposição, quem o apoiou ou não… há de ser bem vinda a possibilidade de alternar o poder, tendo em vista que esta é uma das bases da democracia. Por isso, respeito o ponto de vista político, mas em vez de críticas no sentido de desestimular, deve-se incentivar, ressalto, independente de quem seja o candidato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − dezesseis =